SIENA


Dicas para Quem Visita Siena

Um pouco da cidade de Siena, na Toscana, e suas principais atrações: Piazza del Campo (Fonte Gaia, Palazzo Pubblico e Museo Civico), Duomo (Cattedrale di Santa Maria Assunta), Museo Santa Maria della ScalaBasilica Cateriniana San Domenico, Piazza e Palazzo Salimbeni, Piazza Tolome, Loggia della Mercanzia, Palazzo Chigi-Saracini e o Palio.

Onde é e como chegar em Siena

Situada na região central da Toscana a 322 metros acima do nível do mar, Siena é uma comuna italiana da região da Toscana, com cerca de 53.000 habitantes.

Fica a 1:00 hora de Firenze (71 km) e 0:45 hora de San Gimignano (39 km).

O centro histórico de Siena - que é Patrimônio da Humanidade declarado pela UNESCO - fica dentro de uma muralha e lá não circulam carros sem autorização. Para o turista, tudo tem que ser feito a pé.

Quem estiver de carro deve procurar um dos estacionamentos fora do centro murado ou hotéis fora da muralha que possuam estacionamento próprio ou fiquem em alguma rua onde se possa parar. Uma sugestão é o Parcheggio Stadio que fica ao lado da Basilica di San Domenico.

Um pouco da história de Siena

Existe inclusive uma lenda que diz que foram os gêmeos Senio e Ascanio, filhos de Remo (irmão de Rômulo), que fundaram Siena. Após a morte do pai, os irmãos passaram a ser perseguidos pelo tio Rômulo e fugiram de Roma a cavalo levando com eles a estátua da loba que amamenta Rômulo e Remo (por isso a loba também é considerada símbolo de Siena).

Após fundarem Siena, em agradecimento aos deuses, acenderam uma fogueira que produziu uma fumaça branca e outra preta, o que deu origem às cores da bandeira da cidade.

Lendas a parte, ao que tudo indica, a origem de Siena é etrusca, mas mesmo com tantos achados arqueológicos etruscos os historiadores preferem não arriscar em afirmar isso, portanto sua história geralmente é contada somente a partir de sua fundação como colônia romana durante o império de Augusto.

Durante a Idade Média, Siena viveu um período de grande prosperidade e tornou-se um importante centro comercial da região.

A partir do século X passou a fazer parte de importantes rotas de peregrinação principalmente com a construção da Via Francigena, a principal rota de peregrinação na Idade Média que ligava Canterbury na Inglaterra a Roma.

A partir do século XII, Siena começou a expandir o seu domínio, o que deu origem a uma grande e longa rivalidade com Firenze, já que ambas buscavam dominar a região da Toscana.

Um dos combates mais conhecidos, inclusive por ser citado na Divina Comédia de Dante, foi a Batalha de Mantaperti, em 1260, a mais sangrenta batalha travada em Itália medieval, onde os florentinos foram derrotados.

Em meio às diversas batalhas travadas entre as duas cidades, em 1348 Siena foi terrivelmente atingida pela peste negra o que acabou matando 80 mil habitantes, quase 70% de sua população.

Esse acontecimento acabou enfraquecendo Siena ao logo dos anos seguintes até que em 1554, a Batalha de Marciano (também conhecida como a Batalha de Scannagallo) marcou a derrota da República de Siena que acabou sendo incorporada ao Granducato di Toscana (Firenze) ficando assim até unificação da Itália em 1861.

Curiosidades de Siena

Via Francigena:

Siena é o ponto principal da via Francigena era muito utilizada por aqueles que viajavam até Roma para visitar o túmulo de São Pedro e até mesmo por aqueles que iam em direção à Terra Santa.

No século XVII a rota também passou a ser utilizada pelos jovens europeus que faziam o Grand Tour (uma viagem que os jovens ricos faziam pela Europa para adquirirem conhecimentos artísticos e culturais).

Depois de um tempo esquecida hoje voltou a ser rota de peregrinação e existem muitas agências e associações especializadas em organizar a peregrinação em trechos da rota, semelhante ao que acontece em Santiago de Compostella.

Terzi e Contrade:

A cidade de Siena se desenvolveu em cima de três colinas o que acabou dividindo o seu centro histórico em 3 partes chamadas de “Terzo”: Terzo di Camollìa (onde se encontra a Basilica Cateriniana San Domenico), Terzo di Città (onde se encontra o Duomo e o Museo Santa Maria della Scala) e Terzo di San Martino (onde se encontra a Piazza del Campo).

A cidade subdivide-se também por “contrade” que são como pequenos distritos (17 no total) criados ainda nos séculos XV e XVI. Cada contrada funciona como um pequeno país tendo a sua própria constituição, brasão, igreja, padroeiro, museu e o seu “Priore” que é o responsável pela gestão administrativa da contrade.

Os seneses levam muito a sério as suas “contrade” (cada um de seus distritos) e todo cidadão faz parte de uma passando até mesmo por um batizado laico que após ser realizado estabelece a sua eterna filiação com sua contrada.

Palio de Siena:

Assim como antigamente existia uma grande rivalidade ou aliança entre as cidades próximas, cada contrada possui também seus rivais.

Essa rivalidade, ou aliança, cresce ainda mais durante o Palio, uma competição a cavalo de origem medieval realizada duas vezes ao ano (2 de julho e 16 de agosto) na Piazza del Campo.

Ao contrário do que muitos pensam, o Palio não é uma festa para atrair turistas mas sim uma competição levada muito a sério pelos seneses que dá um enorme prestígio à contrada vencedora, unica que pode manter suas bandeiras penduradas para fora das casas por todo o ano seguinte, até a próxima competição.

A cidade inteira para e veste as cores de suas "condate", exibidas nos lenços, nas roupas, nos souvenirs, na decoração de cada vitrine.

No dia da competição, cada cavalo recebe uma benção dada pelo bispo local (dizem que é o único local em que esses animais são permitidos dentro da igreja).

Cada treino ou prova é inaugurada com um desfile de todas as "condate".

Seus cavaleiros, chamados de "fantini", desfilam antes da largada e enfrentam a expressão de extrema alegria ou gritos de desespero quando uma ou outra contrada vence.

No dia anterior à corrida acontece por volta das 19:00 horas uma “prova”, que é um corrida teste para ambientar os cavalos.

Nessa noite, cada condate fecha sua rua principal, monta longas mesas e oferece um jantar, ao som de muita musica, torcida e cores do distrito; os ingressos são vendidos com antecedência por algumas agências ou pela internet também para turistas... vale participar.

Para assistir tanto a prova como o Palio, deve-se entrar no Campo antes da s 16:00 (pois as ruas são fechadas) e ficar em pé, no meio da multidão, aguardando a corrida começar... mas vale o esforço.

Quem visitar Siena durante o Palio é importante saber que muitos dizem que os turistas não são muito bem vistos nem mesmo pela polícia, mas na verdade, basta respeitar a cultura e o envolvimento dos locais com a competição; para eles, realmente é um evento sério.

Além da novela “Passione” e de diversos filmes italianos, também é possível ver algumas imagens de Siena no filme "Cartas para Julieta" de Gary Winick (2010) e "007 - Quantum of Solace" de Marc Foster (2008).

Atrações Turísticas de Siena

Basilica Catariniana di San Domenico: uma das primeiras basílicas erguidas em homenagem ao santo, mas que por ter sido o local onde Santa Catarina (uma das personagens mais importantes de Siena) viveu grande parte de sua vida religiosa, passou a ser dedicada a ela. À direita da porta de entrada, no Altar da Cappella delle Volte, encontra-se um afresco de Andrea Vanni que se acredita ser o único retrato de Santa Catarina realizado ainda quando era viva. Já na parede da direita da nave encontra-se a Capela de Santa Catarina onde está exposta a “Sacra Testa” (cabeça sagrada) da santa que foi trazida de Roma logo após a sua morte em 1380. As paredes da capela ao redor da “Sacra Testa” foram decoradas com afrescos que contam alguns momentos de sua vida. Além da “Sacra Testa” é possível "admirar" um de seus dedos também expostos ali.

Santuário de Santa Catarina: saindo da Basilica, continuar pela Via Camporegio até o Santuario, com seu oratório e a casa onde ela nasceu.

Palazzo Salimbeni: localizado na praça que leva o mesmo nome, é a sede central do Banco Monte dei Paschi di Siena, o segundo banco mais antigo do mundo ainda em atividade. Fundado em 1472 com o nome Monte di Pietà, o banco foi peça fundamental para a reestruturação da cidade após a mesma ter sido devastada pela peste negra no século XIV. O edifício mantém ainda o seu estilo gótico característico de Siena. No centro da praça há uma estátua de Sallustio Bandini, um religioso, político e economista italiano que viveu entre os séculos XVII e XVIII.

Igreja de São Cristóvão: Seguindo pela Via Banchi di Sopra sentido Piazza del Campo há uma pequena praça com a "Chiesa di San Cristoforo", que foi construida originalmente no século XI mas, apos o terremoto de 1789 foi restaurada de forma neo-classica.

Palazzo Tolomei: Ao lado oposto da Chiesa di de San Cristoforo, fica esse edifício privado, o mais antigo da cidade construído nos anos 1200. No meio dos dois edifícios encontra-se uma coluna com a estátua da famosa lupa amamentando Rômulo e Remo datada de 1610. Aqui encontr-se também uma placa que refere-se a Pia Tolomei e a Maremma, onde ficava o Castelo da família; ela refere-se a uma episódio famoso na região em que Nello dei Pannocchieschi, marido de Pia, a jogou pela janela do Castelo de Maremma. O assassinado gerou inumeras lendas e suposições, que vão de cuúmos a revanche política.

Loggia della Mercanzia: continuando pela mesma rua, quando ela se encontra com a Via Banchi di Sotto (que fazia parte da Via Francigena) e a Via Di Città surge a Loggia. Sua localização é conhecida como Croce del Travaglio, o ponto de encontro das três principais ruas diretamente ligadas ao desenvolvimento da cidade durante o seu período de maior prosperidade. A Loggia della Mercanzia, construída entre os anos 1417 e 1428, é um importante símbolo para a cidade e marca a passagem entre o período medieval e o renascimento italiano, mas ainda conta com alguns elementos góticos em sua arquitetura.

Piazza del Campo: Atrás da Loggia della Mercanzia encontramos a famosa Piazza del Campo, o principal ponto turístico da cidade. Desde 1300 a praça ocupa um lugar de destaque na vida dos seneses e sempre foi utilizada como ponto de comércio e local para manifestações políticas, culturais e festas populares. Seu formato lembra o de uma concha e a sua leve inclinação acaba atraindo quase que misticamente qualquer um a se sentar ou deitar ali mesmo no chão para admirar os belos edifícios em volta ou descansar após encarar as infinitas vielas da cidade. É nessa praça onde acontece o Palio. Tanto a praça quanto o seu edifício mais importante, o Palazzo Pubblico, foram construídos pelo "Governo dos Nove" durante a República de Siena (governo composto por nove pessoas que de 1287 a 1355 foram responsáveis pelo desenvolvimento arquitetônico e artístico da cidade). Os nove gomos que compõem a praça e formam um leque fazem referência justamente ao Governo dos Nove e o Palazzo Comunale está localizado onde todas as linhas dos gomos se encontram.

Fonte Gaia: Encontra-se na parte mais alta da praça. A fonte original lá construida não tinha esse formato retangular e foi inaugurada em 1346 para a alegria do povo já que era a principal fonte de água da cidade. Em 1409 resolveu-se então dar um novo formato à fonte (o mesmo que vemos hoje) e o responsável pela obra foi Jacopo della Quercia que a finalizou em 1419. Jacopo esculpiu no centro da fonte a imagem de Maria com o menino Jesus acompanhada das figuras que representam as virtudes do "Bom Governo": Fé, Caridade, Temperança, Força, Paciência, Sabedoria e Justiça. Já na parte interna das laterais representou a criação de Adão e a expulsão do paraíso. As estátuas laterais, Rea Silvia à direita e Acca Larenzia à esquerda, representam respectivamente a mãe biológica e a mãe adotiva de Rômulo e Remo. Infelizmente, com o passar dos anos, o mármore utilizado começou a mostrar-se de má qualidade e a fonte foi danificando-se rapidamente. Para piorar a situação, em 1743 um homem, que buscava uma visão melhor para assistir o Palio, subiu em cima da estátua Rea Silvia e a danificou gravemente. Depois disso decidiu-se então retirar toda a fonte e substituí-la por uma cópia feita por Tito Sarrocchi em 1859, dessa vez com Mármore de Carrara, mas sem as estátuas laterais e com grandes de segurança. As partes da fonte original de Jacopo della Quercia e os moldes em gesso feito por Sarrocchi estão expostos no museu Santa Maria della Scala.

Palazzo Pubblico: O edifício que encontra-se do lado oposto à fonte foi construído entre 1297 e 1310 para ser sede do Governo dos Nove e hoje é sede da prefeitura, do Museo Civico e do Teatro Comunale dei Rinnovati. Sua fachada é um típico exemplo da arquitetura gótica, o que é muito marcante nos edifícios de Siena. Como foi sendo ampliada ao longo dos anos, o Palazzo apresenta uma mistura de materiais e de formatos, como a pedra utilizada no primeiro andar que é diferente do tijolo laterizio utilizado no resto do edifício e as janelas inferiores que são diferentes das janelas do tipo trifore dos andares superiores.

Museu Cívico: localizado no primeiro andar do Palazzo Público, reúne obras de artistas de Siena e da região da Toscana. Sua obra mais importante é o ciclo de afrescos "Allegoria e Effetti del Buono e del Cattivo Governo de' Lorenzetti" (Retratos e Efeitos do Bom e do Mau do Governo dos Lorenzetti).

Torre del Mangia: Anexa ao Palazzo Pubblico, foi construída somente 15 anos mais tarde e levou 23 anos para ser concluída. Seu nome é em homenagem a Giovanni di Duccio, o primeiro guardião da torre que tinha fama de ser bom de garfo e gastava todo o seu salário nas tavernas da cidade (mangia deriva do verbo mangiare que em português significa comer).

Palazzo Chigi-Saracini: Continuando a caminhada pela rua mais elegante da cidade, a Via di Città, encontramos muitos edifícios medievais e o Palazzo é o que mais chama a atenção. O edifício foi construído entre os séculos XII e XIV e é um belíssimo exemplo da arquitetura gótica. Desde 1932 é sede da prestigiosa Academia Musical Chigiana.

Duomo ou Cattedrale di Santa Maria Assunta: Ainda na Via di Città, um pouco mais a frente entrando em uma rua estreita, a Via del Castoro, chega-se à praça lateral da Catedral. É um dos motivos de maior orgulho para os seneses e simboliza uma das perfeições da arquitetura românico-gótica italiana. O edifício começou a ser construído em 1229 e entre os anos 1258 e 1285 contou com a participação de Nicola e Giovanni Pisano, os mesmos que ajudaram a construir o Batistério de Pisa. Quando Siena entrou em seu período de maior prosperidade o tamanho da catedral passou a ser considerado pequeno demais e logo se deu início a um audacioso projeto de ampliação em 1339. Com a peste negra, a ampliação teve que ser interrompida e só foi retomada em 1376, porém em cima de projeto mais modesto. A característica mais marcante de sua fachada são as estátuas góticas e o uso de mármore branco e rosa (chamado de rosso di Siena), enquanto que em seu interior o que mais chama a atenção são as faixas brancas e pretas de mármore e o teto azul repleto de estrelas de ouro e as diversas obras de arte de artistas renomados do Renascimento.

Fachada e Interior do Duomo

Púlpito de Nicola Pisano

4 estátuas de Michelangelo

Afrescos de Pinturricchio na Libreria Piccolomini

Capela de São João Batista e a estátua de São João Batista de Donatello

Lápide de Giovanni Pecci de Donatello no chão da capela Sant'Ansano

​Capella Chigi desenhada por Bernini e as suas estátuas de Santa Maria Madalena e de São Jerônimo

Museo dell'Opera del Duomo: no museu encontra-se uma outra obra de Donatello, a Madonna del Perdono que foi criada para ser colocada em cima da Porta del Perdono, a porta lateral direita da catedral que hoje possui uma cópia da obra. O pavimento da igreja também é considerado uma relíquia principalmente por ser uma das únicas obras na Itália em seu estilo e por isso durante quase todo o ano fica coberto para ser melhor conservado. Ele foi feito com uma técnica chamada Opus Sectile que é similar ao mosaico mas feito com grandes peças de mármore.

Museo Santa Maria della Scala: Saindo da catedral, logo em frente, encontramos o museu, um enorme edifício onde antigamente era um hospital. Além dos belos afrescos, quadros, esculturas e da seção arqueológica é interessante ver as peças que fazem parte da Fonte Gaia original de Jacopo e compará-las com os moldes de gesso de Tito Sarrocchi (mas não deixe de ver a fonte atual antes de entrar no museu!).

Onde se Hospedar em Siena

Villa Liberty

  • Viale Vittorio Veneto 11 Siena 53100 Itália

  • Tel +39057744966

  • Checkin 14:00 Checkout 11:00

  • O hotel tem quartos bem espaçosos e um atendimento bem amigável. Fica bem próximo a entrada da muralha, mas o mais interessante, para quem chega de carro, é que há espaço livre para estacionar na porta do hotel, o que é fundamental, pois dentro das muralhas só entram carros dos moradores, e se você optar por um hotel lá, terá que carregar suas malas até o local.

#europa #europe #italia #italy #toscana #tuscany #viagem #travel #siena #dicasdecidadesnaitália #FILTROTOSCANA